terça-feira, 17 de maio de 2011

Cometa Elenin a caminho

Descoberto em 10 de dezembro de 2010 pelo astrônomo russo Leonid Elenin, o objeto C/2010 X1 Elenin é um cometa com período orbital de aproximadamente 11.500 anos e foi visto pela primeira vez através de um dos telescópios robóticos do International Scientific Optical Network, instalado no Novo México, EUA.


Quando foi descoberto, Elenin apresentava magnitude aparente de 19.5, cerca de 150 mil vezes menos brilhante que o limiar de 6.5 da visão humana, lembrando que quanto maior a magnitude, menor o brilho de um objeto. De acordo com o descobridor Leonid Elenin, seu núcleo tem entre 3 e 4 quilômetros de largura.

Apesar da elevada magnitude (pouco brilho) do dia do descobrimento, sua intensidade luminosa se elevará à medida que se aproxima da Terra e do Sol. Segundo as estimativas, Elenin atingirá a magnitude 4 em outubro de 2011, quando passará a 34 milhões de quilômetros do nosso planeta, sendo facilmente visível sem ajuda de instrumentos. Antes disso, porém, o cometa poderá ser visto bem antes, desde que o observador possua um pequeno binóculo ou telescópio.

De acordo com a Rede de Astronomia Observacional REA-Brasil, os parâmetros fotométricos sugerem que Elenin poderá ser mais brilhante e deverá alcançar a magnitude 3.5 em setembro de 2011. Se os dados forem confirmados, já a partir de julho o cometa atingirá a magnitude 10 e será visto na constelação de Leão, logo após o anoitecer.

À medida que se aproxima, o cometa aumentará rapidamente de intensidade luminosa e em agosto brilhará na 8ª magnitude, entre as constelações de Virgem e Leão.

Em 4 de setembro Elenin atingirá o periélio, o ponto de maior aproximação com o Sol, quando então seu brilho será de magnitude 3.5. Alguns dias depois, entre 12 e 15 de setembro, o objeto poderá ser visto cruzando as lentes do instrumento Lasco C3, a bordo do telescópio espacial Soho.

É importante lembrar que os cometas são muito imprevisíveis e podem apresentar comportamentos bastante bizarros à medida que se aproximam do Sol. Entre os fenômenos já observados está o outburst, quando repentinamente se rompem e produzem inúmeros fragmentos brilhantes. Além disso, devido à pressão do vento solar a cauda cometária também pode variar muito de tamanho.

(fonte)

Um comentário:

salleti solen disse...

quando o cometa vai se colidir com a terra .ou isso nao vai acontecer ?????so me preocupo com isso o resto a gente tira de letra faloou

Publicar em:

Related Posts with Thumbnails